15 de fevereiro de 2018

MICHAEL JACKSON AINDA SE ENCONTRA VIVO?

Alguns fãs alegam que Michael Jackson ainda está vivo e que o seu funeral foi uma farsa.

Passados alguns anos, fãs do grande Rei da Pop querem provar que foi tudo planeado e que o seu ídolo ainda se encontra entre nós. 

Depois de muito pesquisar sobre este assunto, apresento-vos uma das teorias mais credíveis. 

A primeira coisa que levou os fãs a achar que algo de errado algo se passava foi o desaparecimento dos vídeos das câmaras de segurança da casa do cantor, pois regravavam de 24 em 24 horas, mas a polícia de Los Angeles só copiou os primeiros 4 minutos, que mostravam o cantor a chegar a casa. 

O que aumentou ainda mais as suspeitas foi o facto de a equipa médica, chamada a assisti-lo, querer declará-lo morto, em casa, mas o seu médico ter insistido que o levassem levado para o hospital, sendo o óbito declarado mais tarde, às 14h 26m, o que, segundo algumas fontes, deu tempo para trocar o corpo de Michael pelo de Soule Dmitri, um homem de 47 anos ao qual tinha sido diagnosticada uma doença terminal. No entanto, as evidências médicas provam que a saúde de Michael estava de facto limitada.

Esta e outras teorias parecidas continuam a deixar as pessoas intrigadas, como, por exemplo, a que sugere que Jackson teria planeado a própria morte por ter bastantes dívidas, para não falar das acusações de pedofilia e da sua fama de drogado. 

Agora fica a dúvida, o Rei da Pop está vivo ou morto? 

Mariana Silva, 7º A 

14 de fevereiro de 2018

Regulamento de exames 2018


Saiu o Regulamento das Provas de Avaliação Externa e das Provas de Equivalência à Frequência dos Ensinos Básico e Secundário. 

9 de fevereiro de 2018

Ai como tu és bela

pintura de Greg Spalenka
Hoje está um dia de frio,
Queria que me viesses aquecer.
Fico com arrepio,
Com medo de nunca mais te ver.
     Ai, como és bela.

Tua sabedoria é inigualável,
Como belas são as tuas palavras.
Teu sorriso é inquebrável,
Eu morro de amor por ti.
     Ai, como és bela.

Quando estou contigo,
Só te vejo a brilhar.
Algo que controlar não consigo,
É parar de te olhar.
     Ai, como és bela.

Beatriz Bernardino 10.ºD

30 de janeiro de 2018

O abecedário dos animais e… outras coisas que tais!




A é a aranha que apanha.
B é o burro que dá um grande zurro.
C é o crocodilo que nada no Nilo.
D é a doninha que está em linha.
E é o elefante que é amante.
F é a foca que está na toca.
G é o gorila que brinca com argila.
H é a hiena que tem pena.
I é a iguana que mordeu a Ana.
J é o jacaré que anda a pé.
L é o leão que é  mandão.
M é o morcego que não tem sossego.
N é o nandu que anda nu.
O é o orangotango que come morango.
P é o pica-pau que diz " Xau xau."
Q é o quivi que faz "Hi !Hi!!"
R é o rinoceronte que bebe água da fonte.
S é a serpente que perdeu um dente.
T é a tartaruga que orquestrou uma fuga.
U é o urso que ganhou o concurso
V é a vaca que dorme numa maca.
W é o ... What???
Xavier sabes o que é??
Y? Yes, já descobri!
Vamos ao Z ...
Z é a zebra que está na lista negra.

Cristovão Fernandes, Nazario Karapchuk e (com a pequena ajuda do) David Stanislavov , 7ºG (alunos do Apoio PLNM) 

26 de janeiro de 2018

Quis-te sem querer

Pintura de Chirag Bangdel (Tibete)

Por vezes, nós queremos sem querer
achamos que queremos
mas não queremos porque quem quer, 

quer até ao fim
não quer até ter


Eu quis-te mas nunca te quis tanto
acho que te quis sem querer
não dependeu de mim, creio
mas agora que te tenho quero-te

Quero-te como nunca quis antes
talvez te queira por te ter
talvez te tenha por querer

Nem sempre temos o que queremos
Nem sempre queremos o que temos

Eu tenho-te e quero-te
Eu quero-te e tenho-te

Sou feliz por te querer 
Sou feliz por te ter

Marta Santos 10.º D

22 de janeiro de 2018

TRÊS GATOS

O David conta-nos, em quadras ao gosto popular, a história de três gatos traquinas.


Um gato, dois gatos, três gatos,
Os gatos andam a brincar
E foi lá a minha irmã
Para os assustar.

Partiram três pratos
Em busca de comer,
Ficaram com o pelo espetado
E começaram a correr.

Para ir ao baile da terra
Vestiram-se "à maneira"
Com uns grandes suspensórios
E calças de serapilheira.

Chegando ao destino
Viram uma linda gatinha,
Mas como era só uma
Desencadeou-se a guerrinha.

A dona sabia bem
Que todos queriam a beldade,
Ela não foi na conversa
E tornou à sua herdade.

Os gatos por lá ficaram
Cansados de tanto dançar,
Quando voltaram para casa
Foram-se logo deitar.

                      David Serrazina, 10º C


14 de janeiro de 2018

À maneira de Camões - II

O mundo às avessas (foto sem autoria atribuída)
Poemas do 8ºF ao desconcerto do mundo.

Maldita sejas fome,
Que cercas o mundo.
Guerras que nunca acabam,
Incêndios a queimar tudo,
Vida inacabada!

Mentalidades retrógradas,
A destruir o mundo.
Deixem as pessoas em paz!
Cada uma com o seu futuro.

Lágrimas correm na face
Daquela pobre criança,
Sem comida, sem água,
Sem qualquer segurança…

                            Luciana Luís e Ana Leonor Grego


Os bons eu vi arder
Nas chamas do desconhecido,
Dias passam sem comer,
Sem beber,
Sem teto para viver.
Com futuro incerto pela frente,
Perdido está o seu presente!

                                   Joana Belo e Lucas Coelho


Com estas mentalidades,
O que se anda a passar?
É este mesmo o mundo
Que temos de melhorar!
Com dinheiro pr’aqui,
Dinheiro pr’ali,
Isto não está a resultar.
Assim o planeta
Deixa de funcionar!
Com a vida às avessas,
Estamos a tentar ganhar
Com toda a gente assim,
Parámos de pensar!

                        Beatriz Inácio e Urânia Pinto


Eu vivi numa guerra
Com fome e falta de água.
De seguida a crise vi…
Ó mundo meu, ó guerra minha!
Os incêndios me bateram à porta,
Sem casa fiquei, nesta crise vivi
Ó mundo meu, ó guerra minha!
E assim será o nosso futuro
O mais incerto que já vi…


              Lara Costa, Marta Valentim, Raquel Martins

10 de janeiro de 2018

À maneira de Camões - I

Poemas do 8º D ao desconcerto do mundo


O mundo vamos mudar
E com a violência acabar.
Para não falar de poluição,
Vamos apanhar o lixo do chão!
Para o racismo evitar,
Os negros vamos respeitar.
Para a fome acabar,
Alimentos vamos doar.

               João Martins, Marisa Sofia, Tomás Letra

Há tanta gente cheia de fome
Outros com comida de mais.
A poluição afeta o mundo
De uma forma exagerada.
A violência, mal ordenada,
Devia ser concertada.
Desigualdadem ao mundo faz mal,
Como a falta de respeito que existe.
O mundo devia ser arranjado,
Do modo que a gente pedisse!

                         Catarina Santos, Raquel Maximiano

Tanta gente com comida,
Tanta gente sem comer,
Tanta gente a poluir,
Todo o mundo a morrer.
Tanta gente maltratada,
Tanta gente sem carinho,
Tanta gente a sofrer,
Neste mundo pobrezinho.
Tanta diferença, desigualdade,
Tanta falta de respeito,
Tanta gente sem direito.
Haverá mundo perfeito?

           Carolina Pina, Miriam Rogério

Esparsa desconcertada

A fome não existe só em África, pois espalhou-se pelo mundo inteiro. 
A poluição é uma coisa trágica, pois afeta o nosso cheiro. 
Com violência nada se resolve, não é assim que nos conseguimos exprimir. 
Todas as pessoas são iguais, não é por serem mais ou menos brancas que devemos ser racistas. 
A desigualdade é algo que afeta muita gente, mas todos têm o direito a ser felizes. 
A falta de respeito tornou-se grave, ninguém tem o direito de ofender ninguém.

    Guilherme Filipe, Margarida Amado, Pedro Pereira

31 de dezembro de 2017

FELIZ 2018

Matisse, árvore da vida

Os nossos votos, nas palavras de Sophia.

A PAZ SEM VENCEDOR E SEM VENCIDOS
Dai-nos Senhor a paz que vos pedimos
A paz sem vencedor e sem vencidos
Que o tempo que nos deste seja um novo
Recomeço de esperança e de justiça.
Dai-nos Senhor a paz que vos pedimos
A paz sem vencedor e sem vencidos

Erguei o nosso ser à transparência
Para podermos ter melhor a vida
Para entendermos vosso mandamento
Para que venha a nós o vosso reino
Dai-nos Senhor a paz que vos pedimos
A paz sem vencedor e sem vencidos

Fazei Senhor que a paz seja de todos
Dai-nos a paz que nasce da verdade
Dai-nos a paz que nasce da justiça
Dai-nos a paz chamada liberdade
Dai-nos Senhor a paz que vos pedimos
A paz sem vencedor e sem vencidos

Sophia de Mello Breyner Andresen


24 de dezembro de 2017

4 de dezembro de 2017

As passadeiras de peões continuam a ser tema de crónicas bem interessantes, dos alunos da turma C do  9.º ano.


Cinco vezes por semana, nove vezes por ano, levanto-me às sete da manhã e saio de casa às oito horas para ir para a escola. Durante o trajeto, passo por oito passadeiras, seis têm semáforo.

Nas passadeiras acontecem sempre coisas estranhas. Na primeira passadeira do caminho, o semáforo está avariado e, claro, eu esqueço-me sempre. Na segunda, aparece um vendedor de rua que não percebe que eu sou uma adolescente e não me interesso por produtos de limpeza ou por cremes contra as rugas. Na terceira e na quarta, não há semáforo, nem nenhuma alma generosa que pare o carro para eu passar. Na quinta, uma velhinha com dois sacos nas mãos precisa de ajuda para atravessar a passadeira anterior. Na sexta, lembro-me que deixei a mochila no chão para ver as horas no telemóvel, e tenho de voltar para trás. Na sexta e na sétima, mais vendedores de rua que me obrigam a parar, porque estão a vender CD's ou cartões de memória para o telemóvel. E, finalmente, a última passadeira, onde para o autocarro da escola e que tem os estudantes mais esquisitos e os meus amigos.

Apesar de tudo isto, continuo a pensar que é mais barato vir a pé do do que  de transportes públicos. ou do que mudar para uma povoação mais pequena do que uma cidade.

Madalena Coelho, 9.º C

1 de dezembro de 2017

A Restauração de 1640


Restauração - Tapeçaria de Portalegre (detalhe)
A dinastia espanhola dos Filipes governou o país entre 1580 e 1640, altura em que o futuro D. João IV liderou uma revolta que afastou os castelhanos do trono.

Foram 120 os conspiradores que, na manhã de 1 de Dezembro de 1640, invadiram o Paço da Ribeira, em Lisboa, para derrubar a dinastia espanhola que governava o país desde 1580. Miguel de Vasconcelos, que representava os interesses castelhanos, foi morto a tiro e atirado pela janela.

Do balcão do Paço proclamou-se a coroação do Duque de Bragança, futuro D. João IV, e também dali que se ordenou o cerco à guarnição militar do Castelo de S. Jorge e a apreensão dos navios espanhóis que se encontravam no porto.

Até ao final de 1640, todas as praças, castelos e vilas com alguma importância tinham declarado a sua fidelidade aos revoltosos.

A restauração da independência só seria reconhecida pelos espanhóis 27 anos depois, com a assinatura do Tratado de Lisboa.

A Restauração de 1640


22 de novembro de 2017

O HOMEM-ESTÁTUA

O Luís Lopes, do 9.ºC, conta-nos uma aventura que se passou... nada mais nada menos que em Nova York.

Corria o ano de 2007. Em Nova York, tudo parecia normal. Pessoas apressadas, a resmungar, a resmungar e a apitar como loucas. Mas entre toda aquela gente estava um homem calado e quieto, como uma estátua.

Aproximei-me para ver o seu número, que me surpreendeu, dei-lhe algumas moedas e segui caminho para o trabalho. Por alguma razão sentia-me perseguido. No entanto, sempre que olhava para trás, não via nada de estranho. Sentia-me idiota por achar que estava a ser perseguido, mas não conseguia parar de olhar para trás.

Quando cheguei ao trabalho, já atrasado, senti fome e fui à máquina de comida para um petisco, só que no momento em que meti a mão no bolso para tirar a carteira, não a encontrei.

Corri de volta à rua para a procurar. Passei pelo homem-estátua, e qual não foi o meu espanto quando, pelo canto do olho, vi a minha carteira no seu bolso. Parei e olhei para ele. Ele apercebeu-se de que tinha sido topado e fugiu como se um monstro corresse atrás dele. Chamei a polícia e corri também, atropelando um monte de pessoas à minha frente. O azar do bandido foi  ter virado na rua errada, o que o encurralou. A polícia chegou e ele foi preso.

No dia seguinte, fui outra vez para o trabalho. A cidade estava igual, apenas faltava o homem-estátua. Sinceramente, senti-me mal! Ele era o único que me alegrava nestas manhãs, mas tive de continuar.

Luís Lopes, 9ºC

16 de novembro de 2017

FARSA DE INÊS PEREIRA

Farsa de Inês Pereira em Alcobaça - pelos olhos atentos da Cristina e da Teresa, do 10 ºC.

Na passada segunda-feira, dia 6 de novembro, os alunos do 10º ano do Externato Cooperativo da Benedita foram a Alcobaça para assistir à "Farsa de Inês Pereira", peça de Gil Vicente levada à cena pela companhia de teatro A Barraca. Esta representação integra-se no projeto Books & Movies, promovido pela Câmara Municipal.

Inês Pereira, uma jovem que deseja liberdade, como as outras raparigas da sua idade, quer casar-se com um homem que seja delicado, que saiba falar, tocar viola e, sobretudo, que lhe dê liberdade e a faça feliz. 

Enquanto Inês Pereira, em casa, conversa com a mãe e realiza as suas tarefas domésticas, aparece Lianor Vaz, uma alcoviteira, com uma carta de Pero Marques, um camponês abastado que quer casar com a jovem. Esta, no entanto, considera-o um bronco, e só aceita recebê-lo para se rir dele. Pero Marques leva-lhe presentes, mas mesmo assim Inês rejeita-o e troça dele. 

Entram então em cena dois judeus casamenteiros que vieram propor Brás da Mata, um escudeiro pobretana pelo qual Inês se encanta logo, graças às suas belas palavras e à serenata que ele lhe faz. O casamento celebra-se, contra a opinião da mãe de Inês que, no entanto, abençoa o jovem casal e parte. Mas assim que ficam sós, Brás da Mata revela a sua verdadeira natureza e impõe uma série de regras a Inês, impedindo-a de sair de casa e ameaçando-a, se o contrariar em alguma coisa, por pequena que seja.

Mais tarde, o escudeiro parte para a guerra, deixando o criado a vigiar Inês, para que esta não pudesse sair de casa. Três meses depois, a jovem recebe uma carta do seu irmão, que lhe contava que o marido tinha sido morto por um pastor, ao fugir da batalha. Ao ler isto, Inês fica radiante por poder finalmente ter a liberdade que sempre desejara. Casa-se então com Pero Marques, que a trata bem e lhe dá toda a liberdade. Inês, tirando partido da ingenuidade do marido, arranja um amante, que era ermitão. 

E a peça acaba com Pero Marques a transportar Inês às costas, até ao ermitério onde vivia o amante. E transporta também duas grandes pedras que Inês lhe pede para levar. Pelo caminho, Inês canta uma canção alusiva à sua infidelidade, pedindo a Pero Marques que cante o refrão, o que este faz sem se aperceber de nada, mostrando-se assim a inocência deste pobre camponês.

Em suma, com esta peça pudemos ver como era a condição feminina no século XVI, no que se referia às jovens mulheres das classes populares. E apesar de às vezes termos sentido dificuldade em decifrar alguns arcaísmos, gostámos bastante da peça.


Cristina Tiago e Teresa Arraião, 10ºC

12 de novembro de 2017

As passadeiras

A Júlia Lopes, do 9ºC, conta com humor as suas aventuras de pedestre responsável nas passadeiras da nossa terra.


      Os carros, as passadeiras, os semáforos e as pessoas sempre tiveram uma relação complicada.
      Ora, estou eu e mais uma dezena de pessoas na berma do passeio, à espera para atravessar… Já carregámos no botãozinho para passar o semáforo a vermelho para os carros e verde para nós. Finalmente! Estava a ver que não. Lá conseguimos passar. Cheguei ao outro lado da rua e agora preciso de atravessar outra passadeira. 
      Cheguei à passadeira, esta não tem o raio do botão! Tenho de esperar que algum condutor sensato pare. Chegaram muitas pessoas e reclamam do mesmo que eu. Espera! Está um condutor a olhar para nós, vamos rezar para ver se ele para. Por favor para, por favor, por favor! Fogo, não parou! 
      Estamos aqui há uma meia hora, uns peões aventuraram-se e atravessaram sem ser na passadeira. Se calhar devia fazer o mesmo, ir assim, ao Deus dará. 
      Decidi não atravessar assim, porque um condutor gentil parou e estão mais a seguir-lhe o exemplo! Finalmente, conseguimos atravessar, até vou aos pulos! Já me doíam as pernas de estar parada.
      Duas passadeiras atravessadas com sucesso. Agora só me resta atravessar mais umas 4259 vezes, só hoje! 

Júlia Lopes, 9ºC